O que são as vantagens comparativas?

Se você se interessa por economia, certamente já se perguntou sobre como funciona o comércio internacional. Ele gera eficiência? E em relação à distribuição de renda, quem são os ganhadores ou perdedores? O que define os fluxos de comércio? Visamos com esse artigo não responder todas essas perguntas, pois isso requer um curso de economia internacional, mas dar as intuições por trás das respostas por advento de uma exposição do modelo mais simples de comércio internacional, que é o modelo ricardiano.

Para entender o comércio internacional, devemos responder a óbvia pergunta de que por que os países trocam para começo de conversa. Segundo consta em Krugman et al. (2018), os países trocam por haver diferenças entre eles. “As nações, como os indivíduos, podem se beneficiar de suas diferenças chegando a um acordo em que cada um faça o que faz relativamente bem“. Além disso, os países também comercializam porque eles podem ganhar economia de escala na produção, ou seja: “se cada país produz apenas uma gama limitada de bens, pode produzir cada um desses bens em maior escala e, portanto, de forma mais eficiente do que se tentasse produzir tudo“. 

Um conceito essencial para todo e qualquer modelo de comércio internacional é o de custo de oportunidade e de vantagens comparativas. O custo de oportunidade de uma ação é a melhor alternativa que você escolheria, ou seja, o custo de oportunidade é aquilo que você abdica. E as vantagens comparativas? Para isso vale entrar em um exemplo: imagine o caso da produção de soja e computadores nos Estados Unidos. Suponha que a cada dez milhões de unidades de soja produzidas nos Estados Unidos, o país poderia estar produzindo 100.000 computadores. Portanto, o custo de oportunidade de produzir as 10 milhões de unidades de soja são 100.000 computadores.

Agora vamos supor que no Brasil se produza igualmente 10 milhões de unidades de soja, mas o custo de oportunidade de produzir essa quantidade de soja são 30.000 computadores. Tendo em vista esses custos de oportunidades, fica evidente o porque do Brasil produzir soja e os Estados Unidos computadores, uma vez que o custo de oportunidade de produzir computadores é mais baixo nos Estados Unidos. Veja:

  •     Estados Unidos: custo de oportunidade = 10.000.000 sojas/100.000 computadores = 100 sojas/computador
  •     Brasil: custo de oportunidade = 10.000.000 sojas/300.000 computadores = 333 sojas/computador

O que isso quer dizer? Que o Brasil abdica de mais unidades de soja para produzir um computador que os Estados Unidos. Então o Brasil é mais ineficiente na produção de computadores, logo se esses países fizeram trocas entre si vale mais a pena para o Brasil produzir soja e para os Estados Unidos produzir computadores. Os Estados Unidos têm vantagens comparativas na produção de computadores. Como diz Krugman et al. (2018), “um país tem uma vantagem comparativa na produção de um bem se o custo de oportunidade de produzir aquele bem em termos de outros bens for menor naquele país do que em outro país“. Para entender mais sobre vantagens comparativas, leia esse texto do professor Peñaloza.

Então seria o Brasil pobre, uma vez que não consegue produzir bens de alto valor agregado? Não é caso, pois não as produzimos por não conseguirmos agregar valor aos bens que produzimos. Os fluxos de comércio são definidos pelas vantagens comparativas, não as vantagens absolutas. Isto é, mesmo que um país seja relativamente bem em tudo, ele ainda assim vai se especializar naquilo que faz comparativamente melhor. As vantagens comparativas, por sua vez, dependem dos custos de oportunidades e esses dependem da produtividade do país. Daí que advém as diferenças tecnológicas que legitimam o comércio no nosso modelo.

Os países exportam aquilo que têm vantagens comparativas e importam aquilo que abdicam. Com isso há mais produtos na economia e as alterações no preços relativos fazem com que haja um aumento no salário real. Ou seja, no mundo simples ricardiano em que congelamos as questões distributivas,  meramente para avaliar o resultado da diferença tecnológica no comércio entre países, temos como consequência ganhos de eficiência. Todo mundo sai ganhando! Obviamente, este é um modelo simples, que deixamos de formalizar para evitar ficar demasiadamente pesado para o leitor, mas a intuição que é importante é que o que define o comércio são as vantagens comparativas. 

Você deve estar se perguntando: mas os Estados Unidos também produzem soja! Sim, para países muito grandes, podemos demonstrar matematicamente que não haverá uma especialização completa, então a demanda é tão grande no país que isso abre espaço para a produção dos dois bens na economia, que no caso são computador e soja. Mas os resultados continuam os mesmos: países continuam exportando aquilo que têm vantagens comparativas e importando aquilo que abdicam. Há mais produtos na economia, e como consequência há um aumento do bem-estar. É explorando as vantagens comparativas que um país se beneficia do comércio e assim fica mais rico.

Como diz Krugman: “A ideia de vantagem comparativa – com sua implicação de que o comércio entre duas nações normalmente aumenta a renda real de ambas – é, como a evolução via seleção natural, um conceito que parece simples e atraente para aqueles que o entendem. Ainda assim, qualquer pessoa que se envolva em discussões sobre comércio internacional além do estreito círculo de economistas acadêmicos rapidamente percebe que deve ser, em certo sentido, um conceito realmente muito difícil. Não estou falando aqui sobre o problema de comunicar a defesa do livre comércio a oponentes grosseiramente anti-intelectuais, pessoas que simplesmente não gostam de ideias. A persistência desse tipo de oposição, como a persistência do criacionismo, é um tipo diferente de questão e requer um tipo diferente de discussão. O que me preocupa aqui são as visões dos intelectuais, pessoas que valorizam ideias, mas de alguma forma acham essa ideia particular impossível de compreender. ”.

.

Não é trivial esboçar de que maneira exatamente há ganhos no comércio internacional. Para fazer isso, teríamos que explicar conceitos como agente representativo, taxa marginal de substituição e de tranformação, preferências estritamente convexas, dentre outros termos. Por isso, sugerimos que o leitor interessado em aprender sobre o assunto leia os seguintes livros-texto:

Introdutórios:

 Paul R. Krugman, Maurice Obstfeld & Marc. J. Melitz – Economia Internacional

Dominick Salvatore – Introdução à Economia Internacional

Avançado:

Robert C. Feenstra – Advanced International Trade: Theory and Evidence

Referências

Paul R. Krugman, Maurice Obstfeld, and Marc J. Melitz. International  Trade: Theory & Policy. Pearson Education Limited, 2018.

.

Leia também:

Efeitos econômicos da abertura comercial

A teoria das vantagens comparativas continua válida?

Alguns benefícios do comércio internacional

O livre comércio beneficia só os países ricos?

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não ficará público